Um Coração apaixonado e fiel

Na sexta-feira, após o 2º Domingo depois de Pentecostes, celebramos a Solenidade do Sagrado Coração de Jesus. Esta festa foi estendida à Igreja Universal pelo Bem- Aventurado Pio IX, em 1856. É como as grandes comemorações do Tempo Comum, um convite para contemplar e interiorizar o mistério de Cristo, como o Deus encarnado e irmanado que sempre está à procura das pessoas perdidas e quebrantadas. Também nos apresenta uma verdadeira mística apostólica e missionária.

A própria Imagem do Sagrado Coração é profundamente motivadora, pois nos coloca em forma simbólica os principais elementos desta espiritualidade: a ferida aberta nos convida a mergulhar contemplativamente na misericórdia infinita de Jesus; a Cruz em cima do coração, um chamado ao seguimento e à imitação configurativa; o fogo, que envolve o coração, nos leva a um ardor Missionário e Evangelizador; os espinhos em volta do coração, à mortificação e reparação pelos nossos pecados e os da humanidade; finalmente, a água e o Sangue que jorram do seu Coração transpassado nos propõe a vivência da consagração batismal e a comunhão eucarística que nos torna Igreja e nos compromete com Cristo e seu Reino.

Esta festa nos apresenta uma verdadeira síntese teológica da Pessoa e missão redentora de Jesus, ajudando-nos a viver sua auto revelação, caminhando sempre com a ternura do Mestre, com a compaixão e cordialidade voltadas aos pequenos e pobres do Reino e abraçando a todas as criaturas.

Constitui, de maneira segura, um caminho e um canal atraente e fascinante que nos converte e transforma em homens e mulheres novos (as), apaixonados pelo Reino de amor e fraternidade, que brota do Coração de Jesus. Abrir-se e consagrar-se na prática do amor de Cristo, é assumir ser mensageiro da Paz, do perdão e da reconciliação que o Senhor veio trazer ao mundo. Trata-se, como dizia o Pe. Arrupe, Geral da Companhia de Jesus, de uma fonte inspiradora e de extraordinária eficácia, que faz acontecer um apostolado fecundo e uma santidade encarnada, a serviço dos pobres e do Reino. Deus seja louvado!

Por Dom Roberto Francisco Ferreria Paz – Bispo de Campos (RJ)

 

Mensagem do Bispo

Uma Igreja Viva e Ministerial