Por uma paz comunicativa

Verifica-se, nas conversas usuais e nas postagens nas mídias sociais, tendências cada vez mais voltadas para a intolerância e a agressividade verbal. Para a especialista em Comunicação Não Violenta, Carolina Nalon, torna-se necessário recuperar a empatia, a autenticidade e a compaixão, muitas vezes sucumbimos ao que esta consultora chama de sincericidio culpando as demais pessoas pelo que nos acontece. Assim, temos várias formas de bullying e assédio moral, que chegam, não raro, a isolar, discriminar e ridicularizar grupos e categorias de pessoas.

A assertividade e a positividade da polidez, pelo contrário, ajudam a construir conversas saudáveis que fazem crescer amizades e o respeito pelo outro. Para o cristão comunicar o bem e comunicar-se bem, não são facultativos ou secundários, mas a expressão da amabilidade cordial resultante do mandamento de amar o próximo. A linguagem inspirada pelo Evangelho tende pontes, canais, janelas e portais abertos, sem malícia, ódio ou sevícias.

A comunicação se torna humanizadora quando aproxima, dialoga e trata de resolver diferenças e desentendimentos na esperança de acordos e da inteligência empática das convergências e dos consensos. Queria compartilhar uma carta-compromisso de jovens que terminaram um curso intensivo na Universidade de Wiscosin.

Como uma pessoa pacífica, comprometo-me a: 1. Resolver todo tipo de conflito verbalmente. Para isso, serei paciente, aberto(a) e terei autocontrole. 2. Tratar bem a todas as pessoas, respeitando-as e respeitando a mim mesmo(a). 3. Comunicar-me de maneira amistosa… Substituirei o falar mal, o insultar, o ofender por um falar bem a respeito do próximo. 4. Ajudar as pessoas a se entenderem . Atuarei como mediador(a). 5. Compartilhar, com outras pessoas, o que aprendi sobre a paz, a não violência.

Neste mês da Bíblia, que nos apresenta a Palavra de Deus, como geradora de comunhão, verdade, justiça e concórdia, abramos mais a mente e o coração para limparmos e revisarmos a nossa forma de comunicar, libertando-nos de toda raiva, desprezo, ressentimento e ódio. Por um mundo mais fraterno, mais ouvinte e empático que reflita a ternura e a misericórdia de Jesus, o Comunicador do Pai. Deus seja louvado!

Por Dom Roberto Francisco Ferreria Paz – Bispo de Campos (RJ)

 

Liturgia Diária

Evangelho: 4ª-feira da 33ª Semana do Tempo Comum

Santo: São Gelásio I

Mensagem do Bispo

Uma Igreja Viva e Ministerial