Hoje nasceu para nós o Salvador!

Caro amigo aproxima-se o Natal. Na cidade, é notória a mobilização das pessoas: o clima natalino invade ruas e praças, as casas são enfeitadas de luzes e todos aguardam ansiosos a troca de presentes e o sonoro “Feliz Natal!”.

Essas comemorações são legítimas quando expressam a alegria de nossos corações por nosso Pai ter-nos dado a salvação enviando-nos seu Filho único. “Quando se completou o tempo previsto, Deus enviou o seu Filho, nascido de uma mulher, nascido sujeito à Lei, a fim de resgatar os que eram sujeitos à Lei e para que todos recebêssemos a filiação adotiva” (Gl 4, 4s). A frágil criança deitada na manjedoura, envolvida em faixas, adorada pelos magos e pastores, nos resgatou de nossa orfandade e nos deu a dignidade de filhos de Deus.

Quando celebramos a natividade de Jesus devemos ter a consciência de que ela se manifesta a nós todos os dias e não pode ser compreendida como um evento ocorrido há mais de 2 mil anos e que não possui valor atual. Ao nascer, o Verbo encarnado abriu as portas da eternidade santificando, de uma vez por todas, o nosso tempo: os dias, os séculos, os milênios. O seu nascimento fez do tempo um “hoje” de salvação” (Cfr. Homilia de São João Paulo II, 24 dez. 2000).

A Igreja reza na liturgia: “No momento em que Vosso Filho assume nossa fraqueza, a natureza humana recebe uma incomparável dignidade: ao tornar-se ele um de nós, nós nos tornamos eternos.” (Prefácio da Or. Eucarística do Natal III).

Comemorar o Natal é, portanto, comemorar a vida eterna que nos foi dada, a garantia de que nosso natal para Deus será o coroamento da existência pois, ao nascer segundo a carne, Deus assume a nossa morte para nos levar do temor do fim para a certeza da eternidade feliz. Este nascer deve iluminar a existência humana cabendo a nós a responsabilidade de sermos seus mensageiros; conduzindo a luz de Cristo às grutas escuras e frias de nossos corações. Essas ações precisam fazer ressoar todos os dias o antigo e sempre novo anúncio do Natal do Senhor: Hoje nasceu para nós o Salvador!

Sejamos pois, inspirados pelos pastores e magos, que, iluminados pela fé, atravessaram as trevas que envolviam a terra e encontraram a “Grande Luz”. Sem dúvida, como no passado, o mundo está envolto em muitas sombras geradas pelo fechamento dos corações a uma realidade que não pode ser vivida apenas no exterior, na aparência de uma felicidade frágil e passageira. A troca de presentes deveria nos lembrar que esse menino nascido em Belém, se fez – Ele mesmo – presente para todos e nos ensinou a fazer o mesmo. “Amai-vos uns aos outros, como Eu vos amei” (Jo 13, 34).

Só assim as nossas palavras deixarão de ser simples augúrios de uma festa anual para se converterem em compromisso na construção de uma sociedade alicerçada na concórdia, onde Justiça e Paz se abraçarão.

Um Santo e Feliz Natal a todos!

Por Dom Edney Gouvêa Mattoso – Bispo de Nova Friburgo (RJ)

 

Liturgia Diária

Evangelho: 2ª Semana do Tempo Comum – Terça-feira

Santo: São Marcelo I

Mensagem do Bispo

Uma Igreja Viva e Ministerial